quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Saco para merenda

E eis se não quando, qual D. Sebastião surgindo das brumas, retomo os meus cantinhos.
Finalmente mandei reparar umas das máquinas de costura, passei uma tarde na Quadritinta e o resultado fica a vista

A minha avó Madalena iria ficar orgulhosa de mim. Nas minhas memórias felizes estão as mãos delas constantemente a cozer retalhos e a fazer sacos, descrevendo a que pertenciam os tecidos: uma camisa do tio Zé, uma blusa da mãe...

Sem comentários:

Enviar um comentário